quarta-feira, 12 de julho de 2017

Saiba o que é a Dextrina Cíclica Altamente Ramificada



Com o surgimento de suplementos a base de carboidratos nos últimos anos e, felizmente, o que parece ser o declínio da "carbofobia", houve o surgimento de muitos novos produtos no mercado da suplementação. Produtos a base de milho ceroso, maltodextrina e similares continuaram a crescer nas vendas, mas é surpreendente que uma das melhores fontes de carboidratos no mundo da alimentação esportiva ainda esteja subutilizada: a dextrina cíclica altamente ramificada.

A dextrina cíclica altamente ramificada (também conhecida como HBCD) é um carboidrato de designer relativamente novo. É um grupo específico de carboidratos que é, essencialmente, de 6 a 8 moléculas de glicose ligadas quimicamente em forma de anel. Mais especificamente, essas moléculas são feitas de amilopectina que foram alteradas por enzimas para criar pontes cruzadas, criando a estrutura de anel, única, através da desnaturação das moléculas originais. Curiosamente, é semelhante à composição química da maltodextrina, mas os efeitos variam muito. Um dos principais fatores que estão se diferenciando em um ponto de vista da estrutura é que eles compartilham a mesma contagem de moléculas mas a maltodextrina está disposta de forma linear (direta) ao invés da formação do anel encontrada no HBCD. Esta estrutura de anel dá ao HBCD os benefícios únicos em comparação com outros suplementos de carboidratos quando se trata de osmolalidade e esvaziamento gástrico.

Nota: Osmolalidade refere-se ao número de partículas osmoticamente ativas de soluto presentes em um quilograma do solvente. A osmolalidade de uma solução aumenta à medida que a concentração de solutos na solução aumenta. Desidratação, diabetes e ingestão de álcool aumentam a osmolalidade sérica. Doenças adrenais p estado pós-operatório, baixam-na. Os termos osmolaridade e osmolalidade referem-se à particulas osmoticamente ativas. Osmolaridade refere-se ao número de partículas osmoticamente ativas de soluto contidas em um litro de solução.(fonte: Wikipédia)


COMO COMBUSTÍVEL TREINAMENTO
A idéia por trás do HBCD e outros suplementos de carboidratos é fornecer uma fonte constante de glicose para alimentar e manter sessões de treinamento, promover o crescimento muscular e, claro, evitar a quebra muscular. Idealmente, os carboidratos que são facilmente divididos e absorvidos devem ser usados ​​para este propósito, mas o problema com muitos carboidratos simples é que eles também causam uma resposta de insulina. Isso é ótimo para pós-treino, no entanto, durante um treino, o problema é que esses carboidratos com alto índice de glicemia causam pico de insulina e também levam a hipoglicemia.

A outra ressalva sobre carboidratos mais simples é que eles também têm uma alta osmolaridade, enquanto a HBCD tem uma osmolalidade muito baixa. A osmolalidade é o número total de moléculas em um determinado soluto em um quilograma de solvente, portanto, quanto maior a osmolalidade, simplesmente significa que há uma grande quantidade de moléculas na solução dada. Isso entra em jogo com carboidratos (soluto) como quando eles são colocados em solventes, eles são, evidentemente, degradados. Por exemplo, se você tomar sacarose tradicional que é uma combinação de glicose e frutose e colocar 100.000 moléculas em solução, ela irá dividir em 100.000 moléculas de glicose e 100.000 moléculas de frutose, o que significa que agora tem 200 mil moléculas em solução. O HBCD, devido ao seu alto peso molecular tem resistência ao ácido digestivo, resultando em baixa osmolaridade.

A baixa osmolaridade é crucial à medida que: quanto maior a osmolalidade, menor será a taxa de esvaziamento gástrico. Os carboidratos mais simples, não só causarão um pico de insulina, mas a alta osmolalidade será mantida no estômago para quebra-los, levando a uma sensação de inchaço no estômago. Quando eles finalmente se libertam no intestino delgado, este "bolo" de carboidratos causa o pico de insulina acima mencionado. O HBCD, por outro lado, com baixa osmolalidade passa facilmente através do estômago para o intestino delgado para absorção em uma taxa rápida, mas estável. O segredo para o lançamento estável mais uma vez está na estrutura: eles estão interligados de tal natureza que leva mais tempo para quebrar as ligações de glicose, evitando o pico de insulina. Facilmente digerido, não há inchaço e nem pico de insulina que podem causar uma queda de performance no meio do treino. O melhor de dois mundos.

DOSAGENS
Com a osmolaridade em mente, uma questão principal é você decidir incorporar HBCD: qual deve ser a dosagem? Embora não seja ideal, seu consumo de HBCD intra-exercício pode ser até 50% do seu total diário de carboidratos, embora uma porcentagem muito menor seja típica. Isso se resume a preferências pessoais e necessidades individuais de macronutrientes. Um bom número inicial é de 25-50g, dependendo da intensidade do treino e da massa corporal magra. Outra coisa a notar é que manter a mistura em maior teor de água mantém a solução mais baixa na osmolalidade global.

Não usar água suficiente resultará em uma solução de hiper-osmolalidade e pode causar a síndrome de dumping, um efeito colateral potencial desagradável. Isso é causado porque a solução de hiper-osmolalidade é maior do que o seu soro sanguíneo (para o soro normal de referência é aproximadamente uma solução de 15%), e para que ele funcione corretamente, a solução precisa ser menor do que o nível sérico. Conforme mencionado anteriormente, uma dosagem inicial de 25-50g HBCD e misturada em um litro de água é um bom começo.

Então, se seu objetivo é construir músculos, ajudar na recuperação para sua próxima sessão de treinamento ou melhorar a resistência, o HBCD é um suplemento que vale o investimento e/ou teste.

Stay Strong !

Betão

Nenhum comentário:

Postar um comentário